quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

04:04
Canos de centenas de anos, em cavernas chinesas

Ninguém sabe realmente qual é a origem ou o significado que oculta a misteriosa pirâmide encontrada no cume do Monte Baigong na região da China Ocidental, que as lendas locais atribuem a uma plataforma ou base de lançamento de antigas civilizações extraterrestres. 



Uma equipe de nove cientistas deslocou-se até à zona ocidental da província de Qinghai para examinar a entrada desta estrutura de pouco mais de 60 metros de altura, conhecida como a "Relíquia dos Extraterrestres".



Encostado na margem sul do lago salgado existe uma estrutura piramidal com aproximadamente 60 metros de altura, em frente da pirâmide encontram-se três cavernas com aberturas triangulares. A caverna no meio é a maior, com a sua entrada posicionada a uns 2 metros do chão. Esta caverna tem uma profundidade de aproximadamente 6 metros e lá dentro, no forro, se encontra um tubo de 40 centímetros de diâmetro que se projeta para fora da caverna. Outro tubo do mesmo diâmetro entra terra a dentro, ficando só com seu topo visível sobre o chão. Sobre a caverna existe também uma dúzia de tubos de diâmetros variados que penetram na montanha.





Todos os tubos são de um vermelhos acastanhado, a mesma cor das pedras circunvizinhas. Uma dúzia de canos vai em direção ás montanhas; outros, de diferentes tamanhos e diâmetros, correm em direção ao lago de água salgada. As duas cavernas menores desmoronaram e ficaram inacessíveis. Espalhadas sobre as cavernas e nas margens do lago salgado podem ser encontradas, com facilidade muitas sucatas enferrujadas, tais como tubos de vários diâmetros e pedras estranhamente polidas. 



De acordo com Qin Jianwen, chefe de serviço de propaganda do governo de Delingha, as sucatas foram levadas a um especialista para análise. Souberam então que elas são compostas 30% de óxido férrico, 62% de dióxido de silicone e óxido de cálcio e 8% de material impossível de ser identificado. A grande quantidade de dióxido de silicone e óxido de cálcio é o resultado de uma longa interação entre ferro e arenito, o que significa que os tubos devem ter milhares de anos...

"Esses resultados tornam o lugar mais misterioso", diz Qin Jianwe. O clima é desértico. Ninguém vive aqui, a não ser alguns pastores nômades ao norte das montanhas. O ar é puro; e o terreno é alto, perfeito para estudos astronômicos",descreve Qin.





Dentro da cavidade existem dúzias de tubulações rodeando a entrada e o acesso com diâmetros compreendidos entre 10 e 40 centímetros. Estas estruturas indicam uma técnica de construção altamente avançada e completamente desconhecida na atualidade. A estrutura das tubulações é intrincada.

Para acrescentar evidências incômodas ao achado, na zona e na pirâmide foram encontradas diversas ooparts (é um termo cunhado pelo naturalista americano e cryptozoologista Ivan T. Sanderson para um objeto de interesse histórico, arqueológico, paleontológico ou encontrado em um contexto muito incomuns ou aparentemente impossível que poderia desafiar cronologia histórica convencional), como objetos metálicos inusuais e pedras talhadas com materiais que não pertencem à zona que aparece completamente desolada.


O mecanismo de antikythera – um computador grego antigo

 
O mecanismo de Anticítera foi rotulado como o primeiro computador mecânica.Encontrado em um navio que naufragou na ilha grega de Antikythera, ele foi projetado para calcular as posições astronômicas.



Composto por uma caixa com marca no exterior e um conjunto muito complexo de engrenagens, é tão complexo como um relógio do século 18 . O nível de sofisticação utilizado pelo dispositivo forçou cientistas a aceitar que suas percepções da engenharia grega antiga possam estar errados.


Nada semelhante a isso existe ou é mencionado em nenhum escrito conhecido do período de sua criação. Com base no conhecimento que temos, este mecanismo não deveria mesmo existir. Segundo o professor Michael Edmunds da Universidade de Cardiff, que liderou a equipe que estuda o mecanismo:


Tubo Metálico em Saint-Jean de Livet, França, superior a 65 milhões de anos de idade





Y. Druet e H. Salfati anunciaram em 1968 a descoberta de tubos metálicos semi-ovóides, de formatos idênticos, mas tamanhos diferentes, no calcário Cretáceo. O leito calcário, exposto numa escavação em Saint-Jean de Livet, na França, é avaliado como tendo pelo menos 65 milhões de anos de idade. Tendo considerado e eliminado várias hipóteses, Druet e Salfati concluíram que seres inteligentes viveram 65 milhões de anos atrás. Quem trouxe e deixou estes tubos metálicos na França mais de 65 milhões de anos antes do aparecimento do primeiro ser humano?

O martelo fossilizado de 140 milhões de anos


Em 1934 os geólogos descobriram, na margem do Red Creek, um martelo incrustado numa rocha. Este rio está situado perto da cidade de Londres, no Texas. Daí o seu nome oficial de Martelo de Londres. A cabeça de pedra estava moldada na pedra e o cabo, de madeira, estava fossilizado.


Análises científicas aprofundadas demonstraram que a cabeça do martelo tinha sido fabricada com um ferro de uma grande pureza, com a ajuda de uma técnica muito sofisticada.
Não se trata de uma formação natural que apareceu na rocha que se pensou ser um objeto, dado que os seus componentes não têm nada a ver com os da rocha na qual foi encontrado. Além disso, a sua forma, extremamente precisa, não se contenta em evocar vagamente a de uma ferramenta de fabricação humana.





O Martelo de Londres esteve exposto durante muito tempo no museu Somerwell, no Texas, entre outros objetos enigmáticos, antes de despertar a curiosidade de alguns cientistas. Descobriram que, de acordo com as análises geológicas, o processo de fossilização deste martelo teria começado há cerca de 140 milhões de anos! O que, mesmo tratando-se de uma estimativa, está muito longe de corresponder ao período de aparecimento do Homem que hoje, relembro, se considera ter tido lugar há 5 milhões de anos! Uma diferença deste tamanho é um verdadeiro enigma.


A presença deste martelo indica que, neste local, há 140 milhões de anos, existia uma civilização capaz de fabricar objetos cuja produção, ainda por cima, só foi possível na época moderna e através de uma tecnologia avançada! As análises levadas a cabo pelo Instituto metalúrgico da Colômbia revelaram que a cabeça do martelo era constituída por 97% de ferro puro, 2% de cloro e 1% de enxofre. O ferro tinha sido purificado por uma técnica desenvolvida no ocidente apenas no século XX!



Por fim, o estojo mineral que envolve o martelo contém vestígios de cálcio, potássio, enxofre e silício, que contradizem a hipóteses de um objeto chegado à Terra num meteorito.

Fonte: Ab Origine

0 comentários: