quarta-feira, 6 de abril de 2011

09:16


Pesquisador do Massachusetts Institute of Technology apresenta folha artificial dez vezes mais eficiente do que uma folha natural na hora de fazer fotossíntese.

O feito é considerado um grande passo no ramo de energia sustentável e foi apresentado no dia 27 de março no 241º Encontro Nacional da Sociedade Americana de Química.

O trabalho do Dr. Daniel Nocera consiste em uma célula solar avançada, do tamanho e forma de uma carta de baralho – porém mais fina. Ela imita o processo de fotossíntese no qual as plantas convertem luz do sol em água e energia. Em comunicado, o pesquisador afirmou que o feito é um “Santo graal” da ciência.

A célula é feita de silício, compostos eletrônicos e catalisadores - as substâncias que aceleram reações químicas. Uma unidade da folha, colocada em um galão de água na luz forneceria eletricidade o suficiente para abastecer uma casa em um país em desenvolvimento por um dia.

O aparelho funciona quebrando as moléculas de água em hidrogênio e oxigênio, porém o nome “ folha artificial” não é um conceito novo. Ele foi criado há mais de dez anos por John Turner, do Laboratório Nacional de Energia Renovável dos Estados Unidos. No entanto, o aparelho era composto de materiais raros e caros e possuía vida útil muito curta, menor do que um dia.

A folha do Dr. Nocera, por sua vez, é feita de materiais baratos e opera por pelo menos 45 horas sem ter queda na atividade. O segredo são os catalisadores de níquel e cobalto que quebram a água de forma mais eficiente – dez vezes mais eficiente para fazer fotossíntese do que uma folha natural. O pesquisador espera que esses números podem ser melhorados no futuro.

Fonte: Vivendo um novo tempo

0 comentários: